Uma incrível entrevista de emprego

Contratei e demiti muita gente em 30 anos de carreira. No caso da contratação, a etapa final é a famosa entrevista de emprego. Aquele momento em que você fica cara a cara com o seu futuro chefe direto ou indireto. Na maior parte das vezes, é decisivo. Se agradar, a vaga é sua. Assim, tipo nocaute. Se não agradar, fica no purgatório da repescagem, tentando ganhar por pontos. Quando contratava, detestava seleções decididas por pontos. Significava que ninguém era suficientemente empolgante, diferente ou brilhante. Por isso, se quiser o emprego, acerte logo um soco de baixo pra cima no queixo do contratador. Deixe o coxinha de quatro e não lhe dê a fatídica oportunidade de perguntar “quantas bolas de tênis cabem em uma piscina”.

Foi o que a Roberta fez comigo. Acho que no começo de 2004. Eu dirigia uma área de edições especiais para a nova classe média, cuidava de duas revistas de televisão semanais populares e também fazia edições customizadas para clientes. Precisava de um repórter e não tinha a intenção de perguntar sobre as bolinhas de tênis. Ela entrou de salto alto agulha, saia preta no corte lápis e camisa branca. Discreta e elegante. Usava os dois primeiros botões da camisa abertos, porque tinha um colo lindo e fazia o tipo diferente. Não era um sílfide e não estava nem aí para esse detalhe. Mas não foi o figurino que me chapou.

Eu que não entendo nada de maquiagem e nem uso (agora posso declarar minha ignorância em praça pública) fiquei espantada com o modo perfeito com o qual Roberta passava delineador em seus olhos. O traço era equilibrado. Sem borrões. Os olhos dela ficaram ainda mais inteligentes e o discurso que ela fazia mais crível. Tinha estudado jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina. Para isso, tinha deixado a cidade do interior onde nascera e havia se aventurado na capital. Sozinha? Não, com a filha pequena, Gabriela, fruto de um amor de adolescência.

Neste momento, confesso aqui, contratei Roberta. Amigos de RH, me perdoem. Após essa resposta, eu, que já estava gostando da moça, levei meu direto no queixo. Era diretora de redação, tinha 38 anos, 20 de carreira, e estava quebrada ao meio por causa da dificuldade de conciliar o meu trabalho com a maternidade do meu Chico, então com 1 anos e alguns meses. Aí me aparece uma guria, de 20 anos, do interior de Santa Catarina, inteligente, articulada, disposta, bem vestida, mãe de uma garotinha e ainda capaz de passar um delineador impecável. Era muito para uma segunda-feira.

Trabalhamos juntas por quase dois anos. A vida dela não era fácil comparada com a minha. Salário curto. Jornada longa. Desafios absurdos. Sem babá, sem marido e sem estrutura. Roberta trabalhava muito. Pegava todos os frilas. Eu deixava porque me via nela. Havia sido uma pirralha hiperprodutiva no início da carreira. Mas não tinha filho, o que deixava tudo mais fácil.

Um dia, Roberta pediu para ir embora. Um gestor de RH rigoroso diria que eu contratei mal. Discordarei respeitosamente e absolutamente. Ela era um gênio e por dois anos tivemos um gênio trabalhando em nosso time. Ela voltou para Floripa, reorganizou a vida, capitalizou, pensou, criou e um dia voltou. Disse adeus ao crachá, bem antes do que eu. Com amigos, montou uma editora, a Mol, que se especializou em fazer projetos customizados. Só que uma pegada diferente, com foco e pé na economia sustentável e solidária. Em 2008, eles lançaram a revista Sorria, patrocinada pela Droga Raia e por seus clientes, que ao comprar um exemplar faziam uma doação para o Craac (grupo de apoio ao adolescente e criança com câncer).

revistatodos

Por que decidi contar tudo isso? Porque hoje fui na Drogasil comprar um remédio para uma hóspede e encontrei a edição de agosto da revista Todos, a segunda revista customizada da Mol, criada pela Roberta. O tema da edição é “Eu venci” e bem lá na página 18 tem uma foto linda minha, segurando duas flores com o título: “Entendi que o fracasso pode ser uma oportunidade de aprendizado”. A matéria carinhosa fala da minha experiência recente no contexto de uma pauta muito atual e oportuna: a reinvenção. Histórias de cinco pessoas que depois de um tombo, de um susto, uma fatalidade conseguiram florescer.
Só podia ser obra de uma moça como a Roberta, que até hoje passa delineador nos olhos como ninguém.

claudia_todos

Anúncios

15 comentários sobre “Uma incrível entrevista de emprego

  1. História fantástica Cláudia! Isso mostra que além de genialidade é preciso coragem para encarar e vencer todos os desafios da vida empreendedora. Muito legal!

    Curtir

  2. Bonita história! Na vida nós nos deparamos com pessoas tão incríveis, na maioria das vezes aparecem e depois desaparecem da nossa vida, mas sempre deixam um sentimento bom dentro de nós.

    Curtir

  3. Claudia,

    Como falamos, seus textos tem me inspirado muito! Adoro demais!!!
    Sou de RH e meu propósito é fazer com que os gestores possam ter esse olhar para as pessoas, afinal é o que somos, certo! Parabéns pelo texto! Parabéns para Roberta!

    Curtir

  4. Claudia, confesso que fiquei curioso em ver uma foto da Roberta, principalmente dos olhos tão bem delineados. Esse é o preço de um texto tão fiel, constrói-se um cenário tão perfeito que a curiosidade nos seduz. Retribua a bela foto sua postada.

    Curtir

  5. Oi, eu sou a Roberta 🙂

    Eu lembro muito bem dessa entrevista, porque ela mudou a minha vida. Antes, na verdade, é preciso dizer: eram duas vagas, e todo o processo havia começado meses antes. Mais de 2500 candidatos. Sobraram uns 30, que passaram um mês trabalhando na empresa. Desses, selecionaram-se meia dúzia de finalistas, e o último round eram as entrevistas com diretores.

    Eu era o azarão dessa corrida: a única que vinha do interior e de fora do eixo Rio/SP; a mais inexperiente, que não tinha trabalhado em nenhum lugar importante; e, ainda por cima, uma mãe solteira recém saída da adolescência, sem estrutura nenhuma em São Paulo. Estava esperando a qualquer momento alguém me desmascarar e botar pra fora do prédio, como a farsante que eu me sentia.

    O fato da Clau, não tenha dúvidas, diz mais sobre o seu caráter do que sobre a minha competência. Você viu forças onde eu achava que tinha fraquezas, e me quis pelas razões que fariam a maioria dos gestores me dispensar.

    Essa generosidade do seu olhar me deu mais do que uma oportunidade incrível de trabalho. Ela também moldou quem eu me tornei depois desse encontro. Fiquei querendo ser você quando eu crescesse: essa capitã do time que olha e escuta. Que provoca e acredita. Que põe a mão na massa e ensina. Que inspira a gente a querer fazer mais e a ser melhor. E isso fazendo tudo-ao-mesmo-tempo-agora, sem perder o bom humor, nem o rigor.

    Nossa convivência nesses dois anos me convenceu de que o propósito do trabalho precisa ser fazer diferença na vida das pessoas. Como soldada rasa que eu era naquela enorme corporação, não sentia que ali dava pé pra realizar o que eu sonhava. Pedi pra sair, e me tornar a minha própria chefe foi excelente por mil razões – mas até hoje sinto falta de ter alguém acima como você na hora do aperto, pra me explicar como a vida funciona e dizer onde posso pisar.

    Mas, ao menos, posso dizer que ao sair debaixo da sua asa, consegui o que era mais importante – fazer mais diferença na vida de outras pessoas. As revistas e livros que fazemos na Editora MOL já doaram até hoje perto de R$ 15 milhões pra uma dúzia de causas e ONGs de respeito. (A história e as revistas, inclusive a com a Clau, estão aqui: http://www.bancadobem.com.br)

    Então, não é só que essa foi uma incrível entrevista de emprego. Essa entrevista – isto é, você, Dona Claudia – mudou a minha vida, e tem me ajudado a mudar a de muita gente também.

    Beijos saudosos da Robertinha

    PS. Tô amando muito sua vida sem crachá. Que coisa mais maravilhosa que agora mais gente mundo afora agora pode ouvir suas ideias, seus conselhos, suas histórias ❤

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s