A história de um nome. Porque me chamo…


Captura de Tela 2015-07-29 às 20.15.15

Sherazade é um dos meus personagens favoritos apesar de eu não ter lido As Mil e Uma Noites até o fim. Gosto dela por ser a prova literária de que uma boa história pode salvar muitas vidas. Salvou a dela. Salva a nossa. Da tristeza, do tédio, da prisão da rotina, salva, principalmente, da solidão. Quem gosta de ler nunca está só. Quem gosta de ler tem sempre companhia de um milhão de personagens e de suas respectivas emoções. Lendo vivo a minha vida e a do outro. Viajo. Amo. Sou homem, mulher, velho e criança.
Faço esse nariz de cera digno de Cyrano de Bergerac para contar uma história. A história do meu nome. Claudia quer dizer claudicante, manco e defeituoso da perna. Isso todo mundo sabe. Não me chamo Claudia por isso. Me chamo Claudia por causa da revista Claudia. Verdade. Absoluta. Nasci em 1965. A revista tinha quatro anos de idade. Havia sido lançada em 1961 e foi logo um sucesso. Minha mãe a adorava. Colecionava os exemplares desde o número 1. Minha avó paterna também. Tinha pilhas de Claudia na garagem da casa dela no bairro de Pinheiros, em São Paulo. Claudia foi a primeira revista que vi. A primeira que recortei. Antes mesmo da Recreio, que foi lançada em 1969 e foi a primeira revista que chamei de MINHA, assim com caixa alta.
Minha mãe gostava muito da revista e estava em dúvida sobre o meu nome. Chegou a pensar em me chamar Renata, mas meu pai encrencou porque seria uma homenagem ao primeiro namorado que ela teve, Renato. Meu pai, por sua vez, queria que eu fosse Cristina, que era o nome de uma das muitas namoradas que ele teve. Para não ter briga, eu brinco, eles chegaram ao consenso visitando uma banca de revistas. Pronto, fui batizada e sem saber marquei o meu destino com aquela marca.
Quando eu era menina tive a honra de ter uma foto minha publicada na revista. Era pequena, preto e branco. Saiu em uma sessão chamada “Elas se chamam Claudia”. Era um sucesso. Muitas mulheres, fãs da publicação que tinha Carmem da Silva como colunista, fizeram como a minha mãe. Havia uma profusão de meninas Cláudias e a revista, sábia e oportunamente, decidiu homenagear todo mundo. E, claro, vender exemplares. Na minha família, naquele mês, compramos bem uns dez. Todo mundo queria ter uma Claudia com a foto da Coca, então o meu apelido, guardada de recordação.
Cresci leitora da revista. Era quase osmose. Quando decidi ser jornalista, não sonhei trabalhar em Claudia. Queria trabalhar em uma semanal de informação. Gostava de política, economia, internacional e assuntos gerais. Realizei meu sonho e viciei em semanal. Voltei a aparecer na revista Claudia adulta, nos anos 90, quando fui personagem de uma reportagem. A pauta era divertida. Falava sobre profissionais que tinham trabalhos diferentes, incríveis e eram muito felizes porque ganhavam para fazer coisas que todo mundo desejava e sonhava como lazer, prazer e por exclusividade. Na época, eu trabalhava na revista Caras e figurei como uma jornalista que tinha o privilégio de viajar pelo mundo – eu tinha ido para a Polinésia Francesa –, conviver com artistas e frequentar Castelos e Ilhas. De novo, a Claudia se encontrava com a Claudia. Entreguei um exemplar para a minha mãe, que ficou muito feliz com o “sucesso da filha”.
Há alguns anos, contei essa história para o dono da revista. Ele ficou feliz e emocionado com a história de amor da minha mãe por sua “irmã”. A mãe dele havia sido a idealizadora da publicação, que recebeu o nome da filha que ela não teve. Na ocasião, ele tirou o caderninho de anotações do bolso e pediu o nome e o endereço da minha mãe. Não entendi o motivo, mas dei sem discutir. Dias depois, chegava uma carta assinada por ele junto com um exemplar, que era parte de uma assinatura de cortesia para a minha mãe. Não preciso dizer que ela quase morreu de alegria. Não preciso contar que ela se debulhou em lágrimas. Também é desnecessário falar que ela reza pela alma dele todas as noites antes de dormir.

Captura de Tela 2015-07-29 às 18.47.34

Hoje quem ficou feliz fui eu. Saiu uma nota sobre o meu A vida sem crachá, na seção de livros de Claudia. É uma divulgação positiva e importante para o lançamento. O significado da nota, no entanto, é maior e mais emblemático. Cuidei dessa marca durante meu último ano com crachá. Peguei amor. Carinho. Foi triste deixar para trás a logomarca que ficava na estante da minha sala com o “nosso” nome. Com a notinha, a Claudia se encontra de novo com a Claudia. Na paz, na boa, com amizade, carinho e gratidão.

Anúncios

10 comentários sobre “A história de um nome. Porque me chamo…

  1. Claudia, como sempre a sua escrita é leve e agradável. A vida dá muitas voltas e nos surpreende sempre. Quando deixamos bons rastros recebemos carinhos compensatorios.
    Sucesso com seu livro!!!
    Ansiosa para lê-lo.
    Bjs

    Curtir

  2. Claudia, trabalho bem feito e sério sempre deixa portas abertas. Com o tempo tristezas se vão, novas conquistas vem. Basta nos desapegarmos das más lembranças e nos ligarmos as boas vibrações.
    Aguardo ansiosamente pra viajar no seu livro.

    []s

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s