A história de uma capa

white 450x450

Aprendi com alguns mestres revisteiros que capa boa não precisa de legenda. Se necessitar de explicação, significa que é ruim. Capa boa tem que ser bonita, clara e direta. Capa que vende tem que ser pá-pum. Tipo visão arrebatadora. Tipo bofetada. Tipo soco no estômago. Tipo beliscão debaixo da mesa. Tipo olhar de mãe brava.

Durante os anos em que trabalhei fazendo revistas, acho que fiz e aprovei várias capas boas, eficientes e lindas. Nem sempre com os três atributos reunidos no mesmo exemplar. A que mais vendeu era de uma revista popular que ainda existe e pela qual tenho imenso carinho. Bateu mais de 600 mil exemplares. Tinha um título emocional e xenofóbico. A manchete “Xingaram a nossa rainha” conclamava a guerra contra o Chile. Xuxa havia sido vaiada no festival de Viña del Mar e nossas leitoras eram loucas por ela. Identificação total.

A imagem de seiscentas mil mulheres indo às bancas comprar a revista até hoje aquece o meu coração. Ela custava R$ 1, que era bastante dinheiro para a leitora naquela época.
Publiquei acima a capa do meu livro. Acho a capa boa. Acho a capa bonita. O título é direto e objetivo. O subtítulo é apelativo e autoexplicativo na medida certa. Por que, então, quero contar a história da capa? Porque a imagem de fundo da porta aberta para o mar com o gavião voando contém duas memórias que me são muito queridas. Não estão no livro e por isso compartilho na forma de teaser.

Os artistas que fizeram a capa chegaram à imagem da porta aberta para o mar e do pássaro voando por causa de um texto titulado como “ABRIU A PORTA E AGORA VOA PARA ONDE?”. Nele eu conversava por messenger com meu amigo João sobre a dificuldade de viver sem crachá. Ele, expert no assunto, resumiu tudo em uma frase: Sonhe > defina > trace o plano > voe. Fiquei muda quando li a mensagem. Era simples daquele jeito e eu não tinha conseguido realizar algo tão óbvio. Terminei o texto contando aquela conversa e a frase serviu de inspiração para vários capítulos do livro.
Quando Kaíke, meu editor máster, mostrou a proposta de capa, ela era quase isso que vocês viram acima. No entanto, o passarinho era uma singela gaivota. Fiquei fula. Protestei. “Desde quando eu voo como gaivota? Meu voo é de gavião, de gavião carcará. Aquele da música: “carcará, pega, mata e come”. Kaíke me olhou espantado. Não entendeu a minha reação fora da curva. Ele não tinha lido o epílogo, nem visitado a minha Capela.
Todos os dias, faça chuva ou sol, um casal de gaviões carcará passeia sobre a minha pousada. Às vezes, passam bem no alto. Outras, dão rasante. Às vezes, cruzamos o nosso olhar. Houve um momento, muito emblemático, quando estava escrevendo na varanda da casa principal e o carcará passou. Bem baixinho. Planando para mim. O céu estava azul. O sol caindo. O mar que eu tanto amo verde, lindo.
A canção que tocava era justo Aqui e agora, do Gilberto Gil. Juntou tudo e a minha ficha caiu. Entendi quase tudo. Chorei, feliz. Estava, de novo, no caminho do bem. Por isso, para mim, essa resenha deixa a capa do livro ainda mais bonita. Contém história e emoção. E a vida é feita disso.

Anúncios

20 comentários sobre “A história de uma capa

  1. Há alguns meses atrás, como num prenúncio, conheci o seu blog. Naquele momento, imaginei-me na sua situação e deu um “frio na barriga”. Mal sabia que meses depois estaria na mesma condição. Por um lado assustador, nos últimos 15 anos me vi fazendo sempre o mesmo percurso da casa pro trabalho, que eu sempre amei fazer. E por outro lado, vi tempo para marcar o médico que há meses venho desmarcando rs. Enfim, RECOMEÇAR. O texto Tempo de Travessia, de Fernando Pessoa, e os seus textos, hoje me deram a exata medida do que me fez perder o sono as 5 horas para “num passo inCERTO, recomeçar. Obrigada e aguardo ansiosamente pelo seu livro.

    Curtir

    1. Fernanda, obrigada por sua mensagem. Te desejo força e sucesso nesta temporada sem crachá. É sim uma travessia. REvolucionária e surpreendente. O livro será lançado no dia 25 de agosto na livraria cultura do shopping Iguatemi de São Paulo. Se puder vir, adorarei te conhecer. beijo

      Curtir

  2. Claudia, estava no mkt das Femininas quando a Viva! atingiu a incrível marca de 600 mil exemplares, lembro bem disso.
    Estou aguardando o seu livro ansiosa também, sei que me ajudará a refletir sobre os meus próximos passos (sem crachá – rs). Um beijo e tudo de bom.

    Curtir

  3. Ficou linda linda!!!
    Tenho uma foto parecida com essa do Luciano Candisani na abertura do meu celular….
    Me representa muito tb…

    Bjao e vai ser um super sucesso!!! Estarei no lançamento.
    Estou gostando de te conhecer depois da Abril. Só te via lá nos elevadores…. 😉

    Enviada do meu iPhone

    >

    Curtir

  4. Claudia, muito bom, ativa e seletiva como o gavião. Traduz a experiência, visão e o prazer de observar além do horizonte. Tenho muito prazer em ler os seus textos. Abraços.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s