Ipanema

Captura de Tela 2015-05-22 às 19.37.24

O mar estava bravo, numa ressaca daquelas. A seqüência de ondas impressionava pela uniformidade e pela perfeição do desenho. Eram quase redondas, pareciam conchas. Quando quebravam, levantavam a espuma branca a quase três metros de altura. Dava medo. Causava fascínio.

Tanto que os surfistas estavam fora d’água. Ninguém se atrevia a experimentar a força do mar. Como nós, eles assistiam ao espetáculo da areia com os braços cruzados no tórax. A praia de Ipanema estava lotada, apesar do sol já fraquinho. Caminhamos em direção ao posto 9 com as roupas e chinelos nas mãos. As pessoas em volta eram bonitas e ninguém notava o nosso encanto. Todo mundo ao redor parecia tão feliz consigo mesmo, que nada incomodava ninguém. Muito menos os meus olhares para você. Muito menos o meu sorriso fixo no rosto, típico de quem está doente de paixão.

Antes da Farme, escolhemos duas cadeiras para sentar. Pedimos cerveja. Focamos no mar. Difícil decidir para onde olhar. Para ele. Ou para seus olhos. Como num jogo de tênis, eu virava o pescoço de um lado para o outro. Nas cadeiras grudadas, encostava o meu cotovelo no seu e um choque de prazer percorria meu corpo, ainda perfumado pelo cheiro do nosso amor. Acho que ficamos lá menos de uma hora, mas a sensação de tempo é outra. Agora, rebobinando a memória, parece que o nosso encontro no outono de Ipanema durou uma primavera e dois verões. Ainda sinto o cheiro do mar e recordo o movimento da senhora jogando frescobol com o garotão. Perto do meu ouvido, você disse:

“Sabia que o frescobol é o esporte no qual dependemos mais do adversário do que de nós mesmos?”

Respondo que sei e argumento que o tênis é exatamente o contrário. Ainda não jogamos tênis nem frescobol. Mas andamos na praia. Nadamos no mar. Pedalamos pela orla. Jantamos também, o que até então era inédito. O sol foi caindo e a responsabilidade chamou o relógio. Levantamos com calma e voltamos para a realidade. Havíamos criado outro momento mágico. Outro instante único para guardar e colecionar, como os fascículos de duas vidas em uma.

Anúncios

4 comentários sobre “Ipanema

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s